sábado, 23 de junho de 2012

A primeira turbulência a gente nunca esquece

Salut à tous !

Não muito tempo depois que eu finalmente tinha conseguido dormir, meio que uns 30 minutos depois eu acho.... ouvi um super beeeepppp no meu fone de ouvido (tipo quando a gente tá ouvindo música altíssima distraidamente no computador e vem aquela ATUALIZAÇÃO DE ANTI-VIRUS que quase explode o cérebro??? Então...), era o piloto fazendo um anúncio mais ou menos assim: Senhoras e senhores permaneçam sentados e com os cintos apertados, estamos passando por uma área de turbulência (e depois no inglês cômico dele) eu fiquei em choque (queria ver a minha cara de pânico naquele momento hehe) NÃO!!!! plissss tudo menos turbulência, parei de respirar, parei de piscar, parei de pensar, meu coração parou ou disparou sei lá hahaha na expectativa da minha primeira turbulência no ar em pleno Oceano Atlântico, em plena temporada de tempestades tropicais no Oceano Atlântico (ah é, eu li que as peeores tempestades tropicais no atlântico ocorrem entre junho e novembro) e provavelmente bem lá, no local fatídico acidente de 2009, também isso que dá ficar lendo cada notícia que saía do A447 e adorar as séries do JJ Abrams que é obsecado por “coisas” em aviões, visto Lost e Fringe !!

video
Só 25 segundinhos de turbulência de um vídeo da internet já me dá uma angústia......

Ahhh e o avião é tão sensível, tão instável, nervos de aço para não se preocupar! Para ajudar o momento pânico, como eu estava em estado de sono e acordei assustada, pensa na maluquice que me aconteceu: a primeira coisa que eu vi na minha frente foi uma pessoa com traços orientais vestida com uma jaqueta laranjona e de máscara hospitalar andando pelo avião (WTF!!!) nos milésimos de segundos que eu consegui pensar, eu pensei que eu só podia estar sonhando e que o avião estava sendo sequestrado por pessoas da Estação Dharma, ou coisa pior, ia ter um ataque terrorista, tinha uma bomba nuclear no banheiro, sei lá, e não me chame de louca não! Louca era essa japa maluca andando de madrugada num avião em turbulência com máscara hospitalar !!! Sério, meu coração vai bem obrigado, pelo menos em termos de ataques cardíacos aéreos !!!! 
Durantes alguns segundos (que pareciam horas!!) deu umas oscilações impossíveis de descrever em palavras, mas meio que como um carro passando por buracos na estrada (e em SP tem pouco buraco, não?! hehehe) só que a gente não tava no chão, digamos que estávamos um pouquinho mais alto....e eu ainda esperando pelo pior, pelo clímax: pessoas se debatendo, batendo as cabeças no teto, gritaria, drama, adrenalina!!! E....... assim..... a música voltou (like a g6, like a g6) a luzinha de aperte os cintos apagou, e tudo voltou ao estado normal (hmmm se é que 950km/h, 43 mil pés e -60 graus (é isso mesmo externo menos 60!!) se isso era o “normal” tinha tudo voltado ao normal !!! Uhuuu nada mal, passei de boa !! yeahhh!!! E o sono bateu de novo like a g6, like a zzzzzzzzzz, minutinhos depois o mesmo beeep, o mesmo piloto, anunciando a mesma turbulência (o mesmo inglês tosco), a mesma “oscilação” (e dessa vez nada da japa, será que eu tava sonhando?? huahuahua) e eu zzzzzzzzzzzzz De repente beeeeeep !!!!!!!
Juro, não é brincadeira, no prazo de 40 minutos mais ou menos foram 3 turbulências, a última até um pouco mais pesada (não, ninguém bateu a cabeça no teto hahahaa) e o mais engraçado (bom na hora eu não estava achando nada disso engraçado!!) eu tava tensa, suuuuper, mas sempre (apesar de eu estar ouvindo só aquelas 4 músicas) a música que tocava nessas horas de turbulência era sempre Like a G6 (que para explicar a estranha coincidência G6 é um jato executivo mais rápido do mundo e o trecho que diz: now i’m feeling so fly like a g6, agora eu me sinto nas alturas como um G6) bizarro néh? Eu perdi o sono, não dormi mais por nada naquele avião! Para mim já eram umas 5 da manhã (horário Vânia Wolf) quando eu olhei no mapinha para ver se já estava chegando....puuutz ainda faltavam 6 horas e meia!!! Como assim???!!!! Não tava nem na metade do caminho, que drama, que desespero, sem nada pra fazer, desconfortável e não tava nem na metade????
Acho que eu AINDA estava mais ou menos por ali no pós-turbulência (AINDA!!!AINDA!!)
Outra coisa que me deixou em extremo pânico, foi um negócio que me faz parecer imbecil, mas eu tenho que registrar pois foi um momento tenso importante e pode servir de utilidade pública para outras pessoas que passarem pelo mesmo problema...se a sua janela ficar assim:

Por favor, não entre em pânico, a janela não está trincando, você não precisa chamar a aeromoça, ou acordar o seu vizinho de vôo ou gritar histericamente (exemplo de coisas que eu pensei em fazer na hora). Eu juro que eu achei que a minha janela estava começando a trincar, acho que fiquei alguns minutos até entender que eram apenas cristais de gelo, tipo normal....quer dizer, também imaginei que esses cristais de gelo pudessem danificar a janela que presumo que tenha no mínimo uns 30cm de espessura.... mas enfim, o fato é que eu fiquei assustada pois eu não sabia, aliás nem imaginava esse pequeno aterrorizante detalhe que agora vc já sabe.... hihi

Mas dormir que é bom.... nada! Fiquei lá matando o tempo entre as músicas e a telinha interativa.....


À bientôt!

3 comentários:

  1. .Oi,Vânia! Estou passando por aqui novamente.
    Quando li "que drama,que desespero, desconfortável, sem nada para fazer,e não tava nem na metade", senti-me novamente no voo de regresso Lisboa-Natal (porque regressei no pingadinho Lisboa-Natal,Natal-São Paulo, SP-Porto Alegre).Quando fui, de TAP Porto Alegre-Lisboa, tomei um lorax e fui na sonolência gostosa até lá. Na volta, como lorax dá 8 horas de sono e o voo seria de 6 horas até Natal, não tomei nadinha. E senti exatamente o que você descreve: desconforto, turbulências a toda hora, ruídos,chatice, dificuldade para respirar, vontade de descer só um pouquinho(quáquáquá). E um solzão iluminando tudo e tirando qualquer possibilidade de soneca.Afinal, estávamos voando juntinhos com o sol.Aí decidi uma coisa: só pego voo noturno.
    E outra: só pego avião pra onde não for mesmo possível ir de ônibus.Afinal, de ônibus sempre dá para descer um pouquinho, fazer um lanchinho, olhar a paisagem.E os pés estão no chão!...

    ResponderExcluir
  2. Olá como vai Jaqueline?
    Nossa é um drama mesmo quando a gente não dorme e não se sente confortável, mas esse tal pingadinho aí também já me deixa angustiada só de pensar :O Na volta de Paris, fiz uma conexão no Galeão/RJ e foi péssimooo horrívelll mesmo!! Ter que sair do avião, esperar mala, despachar mala, embarcar de novo, juro, eu odiei, preferi mil vezes ir de uma vez só sem nenhuma conexão, por mais que a gente se canse de ficar sentada durante horas e horas.
    E quanto a viajar à noite eu também concordo, o escurinho "chama" a gente pra dormir (ou cochilar)

    Sabe que como estou fazendo todos esses posts de avião, já fico imaginando: Nossa, na próxima vez que eu for vou ter que encarar esse avião de novo :( e tá me dando uma fobia de avião hehehe Vou escrever rápido essa parte do voo pra não ficar pensando besteiras ! :P

    Obrigada ! Bjos !

    ResponderExcluir
  3. É. Estou louca para voltar a Paris, mas aí lembro do avião e penso: não acredito que vou entrar naquilo novamente! Mas vou, né? Não dá pra perder Paris. E, afinal, a vida é sempre um risco. Tenho planos e listas e mais listas de coisas que não fiz e quero fazer na próxima. Volto em abril ou maio/2013. Assim seja!

    ResponderExcluir